®
speaker
Nobel & Laureates Library Online!

Great • Alfred • Nobel • Gives • Aspiration
Nome da Biblioteca Ganga

Nome da Biblioteca Ganga

Traduzido por Thamires Palombo

R. V. Nagaveni, Médico Patologista e Biólogo Oncologista. Fundador da Biblioteca Ganga.

A Biblioteca Ganga foi nomeada em homenagem à minha avó paterna Gangamma, que por sua vez recebeu seu nome em homenagem à deusa da água Ganga. Minha avó Gangamma era uma mulher muito inteligente, carinhosa, sem preconceitos e generosa.

Essa página fornece uma visão da superação de dificuldades, sacrifícios, trabalho duro, desejo por educação superior, desafios enfrentados, obstáculos superados e da terrível discriminação por inúmeros laureados. Ela também demonstra o valor de registros navais no caso de laureados imigrantes. Independentemente dos avanços na ciência e na tecnologia, as pessoas sempre irão pedir a Deus por uma coisa ou outra.

O pai de Gangamma, Advocate Krishnamurthy, andou 3.576 km e fez uma peregrinação da vila de Kadaba, no estado de Karnataka, à cidade de Kaashi, na beira do rio sagrado de Ganga onde três rios confluem. Após seu retorno, seu segundo filho nasceu. Ele chamou o bebê de “Ganga”.

Grandmother

Avó Gangamma em 331, cruzamento 15, 2º quarteirão, Jayanagara, Bengaluru 5600011. Morte: 10 de abril de 1976. Foto: dezembro de 1968.

Grandmother

Avó Gangamma, foto tirada por mim com uma câmera Kodak tipo acordeão trazida dos Estados Unidos pelo meu pai R. V. Ramiah, um homem caridoso.

Epidemias do vírus Influenza geralmente têm um efeito adverso maior em crianças e idosos do que em outras pessoas. A pandemia de Influenza de 1918 tirou a vida de muitos jovens adultos saudáveis. Na pandemia, o marido de Gangamma, Venkanniah, um grande estudioso de sânscrito, e seu generoso sogro Narayanappa, o chefe de uma parte rica da família, morreram em um intervalo de quinze dias. Seus cunhados injustos, descriminando-a pelo fato de ser mulher, gananciosamente pegaram a parte da propriedade que lhe era de direito, privando-a assim de sua subsistência. Seus dois filhos eram meu pai, Venkata Ramiah, de três anos e sua irmã mais nova. Àquela altura, o pai gentil de Gangamma, Krishnamurthy, um advogado, já havia falecido. Cem anos depois, não houve nenhuma evolução no pensamento da maioria dos homens indianos no que tange à sua atitude em relação às mulheres.

Na foto, Gangamma está em casa, na garagem, lendo Kannada Chandama no calor dos raios de sol invernais. A casa foi construída por meu pai, engenheiro mecânico R. V. Ramiah, um homem caridoso, nascido Raagimuddanahalli, Gubbi Taluk no distrito de Tumkuru. Enquanto ele era diretor das indústrias Small Scale Industries, em Nova Deli, o governo da Índia o transferiu para Bengaluru como o único diretor adjunto a estabelecer o Central Machine Tools Institute (agora Central Manufacturing Technology Institute), em Tumkuru Road, Bengaluru. Após estabelecer o Instituto, o governo indiano negou a ele a posição de diretor deste. Ele escolheu retornar à posição anterior de diretor e foi enviado ao escritório de Bengaluru. Enquanto trabalhava como diretor na Small Industries Service Institute, em Rajajinagara, Bengaluru, faleceu jovem, aos 54 anos.

Ramiah

Engenheiro mecânico R. V. Rami, segurando sua carteira com 50 rupias no lugar da medalha de ouro, conforme solicitado por ele. Morreu em 13 de fevereiro de 1969.

Durante toda educação de Ramiah ele sempre obteve o primeiro lugar da turma. Havia ganhado também o prêmio de física Physics Cooke. Costumava checar o resultado das provas apenas para confirmar que havia obtido o primeiro lugar e ter certeza de que ninguém havia acidentalmente feito mais pontos, o que o levaria a obter o segundo lugar. Após conquistar o primeiro lugar em engenharia, solicitou ao rei Maharaja Krishnaraja Odeyar que lhe conferisse dinheiro como prêmio, no lugar da medalha de ouro.

Bahadur

Vossa Excelência Maharaja Nalwadi Krishnaraja Odeyar Bahadur e sua noiva e Rana Prathap Kuma de Kathiawar em 1900. Pintor: Raja Ravi Varma Fotógrafo: Rupika Chawla. Fonte: Wikipedia.

Antes da minha partida para os Estados Unidos, minha avó materna Sannamma me contou uma anedota. Ramiah era membro docente no Instituto Ocupacional Sri Jayachamarajendra (agora Instituto Politécnico) em Bengaluru. O governo da Índia estava premiando com uma bolsa de estudos para pós-graduação nos Estados Unidos. Um requisito era ter um diploma. Cumprindo com o protocolo ele enviou sua inscrição para seu empregador a fim de ser encaminhada para o governo da Índia, esse sendo referido como o “meio de envio adequado”. Seus superiores preconceituosos não encaminharam a inscrição apenas porque ele era um Brahmana (o termo anglicizado é Brahmin, ou seja, pertencente a uma determinada comunidade Hindu). Eles mentiram para o governo indiano dizendo que não havia nenhum funcionário no instituto que tivesse um diploma, encaminhando as inscrições dos funcionários que possuíam um certificado de treinamento vocacional (técnico), o que vale menos do que um diploma.

*A maioria dos laureados pelo prêmio Nobel pertencentes à Sanaathana Dharma (tradição religiosa Hindu) são Brahmanas (chamados de Brahmins). Ao contrário da Bhaaratha (Índia), países avançados cientificamente e comitês do prêmio Nobel não discriminam Brahmanas (Brahmins). Discriminação parecida contra muitas comunidades existe no mundo inteiro.

Wavell

Vice-rei da Índia Marechal Senhor Archibald Percival Wavell em sua mesa em Deli.

Ao descobrir essa mentira e discriminação, Ramiah escreveu para a maior autoridade da Índia dominada pela Inglaterra, o vice-rei Wavell, que era a autoridade a aprovar a bolsa de estudos, dizendo que ele possuía um diploma. O vice-rei Wavell o convidou a ir à Deli para uma entrevista. Os entrevistadores o questionaram em química. Ele respondeu então que química não havia sido um requisito para estudantes aspirantes a engenheiros e acrescentou que, se fosse dado a ele tempo, responderia às perguntas. Eles lhe disseram para retornar às quatro horas da tarde seguinte. No dia seguinte ele respondeu às perguntas de química e recebeu a bolsa de estudos. Ramiah estava interessado em que todos, inclusive mulheres, recebessem educação.

Records

Marinha americana, Nova Iorque, 28 de dezembro de 1945, registro de chegada de navios, arquivos dos Estados Unidos, Washington DC.

passenger list

Marinha americana, Nova Iorque, 28 de dezembro de 1945, lista de passageiros, arquivos dos Estados Unidos, Washington DC.

Cidadão indiano, Ramiah viajou para os Estados Unidos em um navio americano de Calcutá (Kolkata) em 30 de novembro de 1945 para um programa de pós-graduação de dois anos em Máquinas Agrícolas na Iowa State College (hoje Iowa State University). Ele completou o programa em um ano e meio. A avó Gangamma foi fotografada por mim com uma câmera Kodak do tipo acordeão trazida por ele, após seu retorno.

O historiador Paul dos arquivos dos Estados Unidos, na avenida Pennsylvania, Washington DC me explicou que embora a Índia não estivesse envolvida na segunda guerra mundial, havia tropas americanas nos arredores de Burma (Myanmar). Quando a guerra terminou, as tropas ficaram nesses países para ajudar. Para retornarem aos Estados Unidos, eles precisavam de um porto para embarcar no navio. Calcutá é próxima à fronteira com Burma. Os Estados Unidos aceitavam apenas imigrantes da Europa. Se isso tivesse sido em Liverpool, Inglaterra, haveria um navio de passageiros vindo dos Estados Unidos. Foi muito depois que os Estados Unidos mudaram as leis de imigração e trouxeram imigrantes com base em habilidades. Os poucos indianos na lista de passageiros são todos homens jovens, provavelmente muitos deles indo para os Estados Unidos por um curso de pós-graduação.

Grandparents

Avós maternos T. Rama Rao e Sannamma. Ela dizia frequentemente “Um ser humano deve fazer caridade”.

Meu bisavô materno Ashwathiah, andou 7.152km, fez a peregrinação para Kaashi duas vezes da vila Thirumakoodalu, de Karnataka, a fim de ter descendentes. Então, uma única criança, Nanjundiah, a Tahsildar, nasceu. O filho e a cunhada de Nanjundiah, meus avós, T. Rama Rao e Sannamma, se foram por razões desconhecidas.

O Engenheiro civil T. Rama Rao era indescritivelmente gentil e paciente. Construiu o desafiador túnel Hulikere, também conhecido por túnel Rama Rao. Com o senhor M. Vishveshvarayya, ele construiu a represa Krishna Raja Sagara Dam e os jardins adjacentes Brindavan Gardens. Era o fundador do Instituto Nacional de Engenharia (The National Institute of Engineering), em Mysuru. A brilhante Sannamma, dona de casa, administrava uma grande residência, sustentando inúmeros parentes e outros em sua casa e servindo refeições gratuitas aos estudantes da faculdade Maharaja Samskritha College. Ela conhecia as mentes das pessoas de dentro para fora e dizia frequentemente “Um ser humano deve fazer caridade”. Ouvir essas palavras com frequência foi um grande fator contributivo para que eu estabelecesse a Biblioteca Ganga. Eu li biografias de ganhadores do Nobel e essa leitura por lazer se transformou em um projeto de empreendedorismo visionário, a Biblioteca Ganga, beneficiando o mundo inteiro.

India map

Rio Ganga. Foto: Wikipedia.

O poderoso rio Ganga recebe onze afluentes que recebem, por sua vez, seus próprios afluentes, se expande e flui, beneficiando ainda mais pessoas, eventualmente fluindo para o oceano, favorecendo o mundo todo. Descobertas científicas e o ativismo pacífico, analogicamente ao rio Ganga, começam pequenos e seguem um padrão semelhante.

“Alguém se torna exatamente aquilo que sua mente está determinada a ser” Maithri Upanishath, VI.34:3

“… a paz que se encontra em bibliotecas e laboratórios…” - Louis Pasteur
Copyright © 2016 Ganga Library Inc.   Direitos reservados.   E-Mail: info@gangalib.org
Contact Us